29/09/2020

Obras da barragem de Monte Grande têm 52% de avanço

Nos dias 30 e 31 de julho passados, uma forte tormenta atingiu a República Dominicana, incluindo a região das províncias de Azua e Barahona, onde estão localizadas as obras da barragem de Monte Grande. Apesar da força das águas gerada com a tempestade, o empreendimento não sofreu grandes prejuízos, sem nenhum comprometimento estrutural. Atualmente as obras estão com 52% de avanço, e a previsão inicial de conclusão para maio de 2021 deve ser estendida por conta dos atrasos causados pela pandemia de COVID-19. A Concremat é responsável pela supervisão das obras civis, mecânicas, hidromecânicas e elétricas da barragem, incluindo ainda as obras conexas.

Com correntes de vento de até 95km/h, a tormenta Isaías provocou fortes chuvas na região da barragem, o que ocasionou a enchente do rio Yaque del Sur. A ensecadeira de desvio do rio – estrutura provisória construída para possibilitar o desenvolvimento das obras – não suportou o grande volume de água recebido num curto espaço de tempo, rompendo na margem esquerda e formando um lago. Mas a ensecadeira incorporada à estrutura principal, construída para a segurança das obras em temporada ciclônica, cumpriu sua função de impermeabilidade, retendo as águas passadas pela ensecadeira de desvio e protegendo todos os serviços em execução, estrutura do plinto, movimento de terra e serviços de instrumentação.

“A ensecadeira de desvio do rio foi dimensionada para tempo de recorrência de 2 anos, atendendo às especificações técnicas vigentes de segurança por cheias, e não suportou o volume de água, rompendo na margem esquerda a montante e chegando a galgar na elevação 161, por cima da ensecadeira, formando um lago”, relata Heitor Santos, gerente da Concremat responsável pelo contrato, acrescentando que o projeto de Monte Grande foi desenhado atendendo as condições de segurança e funcionalidade em relação aos cenários de acidentes e incidentes mais importantes associados a cada estrutura, considerando situações do projeto que podem ocorrer ao longo da vida da barragem, como estatísticas de precipitações extremas por tormentas e furacões, registros sobre vazões, cheias e inundações, estudos sismológicos e história sísmica.

Localizada a cerca de 153 km da cidade de Santo Domingo, capital da República Dominicana, Montegrande é a terceira barragem na bacia do rio Yaque del Sur e permitirá o desenvolvimento integral das comunidades e áreas agrícolas a sua jusante. Os principais objetivos do projeto são controle de inundação, fornecimento de água potável, irrigação e geração hidrelétrica, com capacidade de 14 a 16 MW.

A estrutura é composta por dois segmentos (margem direita e margem esquerda), sendo a primeira uma barragem de Núcleo de Argila, e a segunda, uma barragem de Núcleo de Asfalto.

“Montegrande é uma barragem de terra do tipo Enrocamento, com 2.035m de comprimento e altura máxima de 60m. Na margem esquerda, a barragem têm núcleo de asfalto com 0,80m de espessura, essa é a primeira barragem com núcleo de asfalto construída no país”, destaca Carlos Jardim, diretor executivo da Unidade de Negócio Internacional da Concremat. Jardim explica ainda que a barragem tem uma Pantalla Plástica e um Plinto, estrutura de concreto para receber o núcleo de asfalto: “Entre esses dois segmentos, há a estrutura do Vertedor de Serviço, com estrutura rebaixada. E, complementando o projeto, há o Vertedor de Emergência”.

O gerente Heitor Santos ressalta que a estrutura provisória para desvio do rio é de extrema importância para o desenvolvimento do empreendimento, pois define como ele será executado, garantindo segurança à sua construção, dentro de riscos calculados.

“No projeto, temos duas estruturas, uma provisória, a ensecadeira de desvio, e outra definitiva, a ensecadeira incorporada, que é parte integrante da barragem. Para permitir a implantação da barragem, foram realizados os serviços de desvio do rio, composto inicialmente pelas obras de construção dos canais de entrada e saída e dois túneis e ensecadeira de desvio com cota de elevação 161.00, a qual direcionou o rio para o canal de entrada. Com esse fechamento, iniciou-se, em maio de 2019, a construção da barragem no leito do rio, sendo construída a ensecadeira incorporada com cota de elevação 174.50, passando depois para a cota 174.75 com a construção da camada de proteção de 25cm sobre o leito da ensecadeira. Essa estrutura é parte integrante da barragem da margem esquerda, e sua construção garantiu a implantação dos serviços da Pantalla Plástica, do Plinto de Concreto, movimento de terra e serviços de instrumentação”, detalha.

Clique e veja o vídeo da vazão da água no canal da barragem durante a tormenta.