04/06/2018

Conheça as principais causas de patologias do concreto

PATOLOGIAS DAS CONSTRUÇÕES: UMA VISÃO GERAL

 

Autor: Prof. Dr. Paulo Fernando Araujo da Silva, DSc*.

*Professor de Patologia e Recuperação das Construções

*Doutor em Infraestrutura pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA)

*Especialista Internacional em Infraestrutura

 

A falta de cuidados na confecção das estruturas pode ser observada no aumento do número de casos patológicos, que cresce a cada dia. Um dos fatores que contribuíram para este cenário foi a ausência de uma norma brasileira mais rigorosa, entre os anos de 1978 e 2000, quanto a itens que influenciam diretamente a qualidade e a durabilidade das construções, como a exigência de relação água/cimento máxima, o consumo mínimo de cimento e o cobrimento mínimo, compatíveis com o nível de agressividade do ambiente agressivo, entre outros.

O reflexo negativo deste período de fraca regulamentação, aliado à baixa qualidade da execução, vem se estendendo até hoje, com inúmeros casos de edificações que apresentaram problemas estruturais graves em consequência da não-observação dos itens mencionados. O mais notório foi o desabamento do edifício Palace II, no Rio de Janeiro, em 1998. Mais recentemente, houve o desabamento do viaduto Guararapes, em Belo Horizonte, ocorrido em 3 de julho de 2014, e a queda de parte do viaduto sobre a Galeria dos Estados, em Brasília, em 6 de fevereiro deste ano. A estes exemplos, infelizmente somam-se inúmeros outros.

As empresas de construção civil gastam muito dinheiro com manutenções corretivas, durante e após a conclusão das obras. Muitas vezes estas manutenções são feitas sem os devidos cuidados e conhecimento, e desta forma têm que ser refeitas.

Através de levantamento bibliográfico, observa-se que este fato também já ocorreu na Europa. Em um estudo sobre os problemas patológicos comuns nos países europeus, concluiu-se que suas principais causas eram:

  • Maior velocidade da execução das obras;
  • Cimentos mais resistentes, permitindo a utilização de concretos com elevada relação água/cimento e baixo consumo de cimento;
  • E mão-de-obra cada vez mais desqualificada.

No Brasil, as patologias têm causas semelhantes às da Europa, e pode-se acrescentar o uso de concretos contendo elevados consumos de cimento – o que pode causar, além de fissuras devido a elevados gradientes térmicos, a formação de Etringita Retardada. Outros fatores são a elevada retração hidráulica e a Reação Álcali-Agregado.

Após a queda das torres gêmeas do World Trade Center nos Estados Unidos, em 2001, e as grandes deformações sofridas pela estrutura da Linha Vermelha, importante via expressa do Rio de Janeiro, após um incêndio ocorrido no mesmo ano, o interesse sobre o efeito do fogo sobre as estruturas aumentou muito.

Nos grandes centros urbanos, é comum a construção de barracos de madeira sob os viadutos. O concreto pode ser considerado um “isolante térmico”. Quando a temperatura do concreto é maior do que 380oC, inicia-se a perda de resistência do concreto (fcj). A 800oC, a resistência à compressão axial tende a zero. O Spalling (lascamento do concreto) é função do fck, da relação água/cimento e do tipo de agregado.