Faça sua busca por palavra-chave ou use os filtros

Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Referência em atendimento de saúde na região sul, o Hospital de Clínicas de Porto Alegre passou, de 2014 a 2019, por obras de ampliação, com a construção de dois prédios anexos, incluindo a instalação de uma nova emergência e de um amplo bloco cirúrgico com 40 salas e 110 leitos de CTI. A área total de implantação ultrapassou os 100 mil m².

A Concremat Engenharia foi responsável pelos serviços de apoio técnico à execução da obra, à obtenção de licenças municipais e às questões ambientais, uma vez que, para o início da obra, foram suprimidas cerca de 300 árvores e realizados cinco transplantes de vegetais de grande porte, com o plantio de cerca de 3 mil mudas como  compensação ambiental. O escopo incluiu ainda coordenação, planejamento e controle da programação físico-financeira e da gestão ambiental do empreendimento.

Os novos edifícios, denominados Anexo I e Anexo II, são interligados entre si e com o prédio principal através de uma torre com 14 pavimentos. Com a expansão, o hospital teve sua área estendida em 70%. Além da ampliação física, o HC passou a contar com um novo Centro de Tratamento Intensivo, com áreas de hemodinâmica, diálise e bloco cirúrgico, entre outras, passando a oferecer atendimentos específicos de alta complexidade. O complexo ganhou ainda um heliponto.

Um grande sistema de reúso de água, a utilização do sistema IT- Médico – um tipo de instalação elétrica que usa transformador de separação e dispositivo de supervisão de isolamento – em todo o bloco cirúrgico e no CTI e a execução da proteção radiológica com chapas Safeboard são alguns dos diferenciais desse empreendimento.

O projeto envolveu, ao longo da sua execução, a colaboração de cerca de 4 mil funcionários. Nas fases que exigiram uma quantidade maior de mão de obra, chegaram a trabalhar 900 colaboradores ao mesmo tempo. A logística foi um ponto sensível: por se tratar de um hospital de grande porte, parte dele estava em funcionamento no mesmo terreno das obras, e a localização, no Centro da cidade, dificultava o processo de carga e descarga de materiais por gerar trânsito.